Diário de rcunhaa3

Décima primeira página!

Terça-feira, 07 de Dezembro de 2021.

Décima primeira página! Público
Noite do dia 07/12/2021

Olá Diário, voltei pra continuar nossa conversa. Estava relendo minha última nota e gostei muito, soube expressar bem sobre o que estava passando e continuarei hoje. A partir de agora minhas notas serão públicas, pode ser que alguém se identifique ou me dê bons conselhos.

Bem Di, aquela pergunta continua ecoando na minha mente "Como seria minha vida se eu não tivesse ansiedade?" "Onde eu estaria agora?" É fato que, apesar dos pesares, eu tinha tudo pra levar uma vida bem vivida e tranquila. Quando estes pensamentos vêm, eu os repreendo, afinal não existe "e se", minha realidade é esta e eu preciso aceitar isso, continuar lutando e fazendo de tudo para alcançar a realidade que sonho. A vida daquela Raquel sem ansiedade NÃO EXISTE, foi-me roubada, vai ficar apenas no mundo das ideias.

Mas é duro viu, Dih? Saber que minha adolescência e todo o período escolar poderiam não ter sido o inferno que foram, saber que eu poderia ter sido muito mais produtiva e ajudado muita gente com o que sei, saber que certamente já estaria cursando minha querida Med.Vet e não repetindo o Enem pela terceira vez (é o que vai acontecer). Eu perdi tanta coisa, Di. Eu fui roubada. Até meu cabelo est enátrando na berlinda agora. Vou explicar: Em setembro, eu cortei meu cabelo curtinho, estava lindo. Bem, já faz 3 três meses que tenho o puxado muito (ansiosa, claro) e ele já está todo prejudicado. O pior é que sábado agora vou sair com as meninas nesse estado, imagina? Bem, pensando bem, é até melhor que elas se distraiam com meu cabelo picotado e não perguntem da minha vida.

Eu negligenciei demais a minha mente, desde que tive a Síndrome do Pânico em 2014, aos 12 anos, sempre tive o pensamento de que "iria passar". Na idade que estou (19) e vou fazer daqui a pouco (20) já me imaginava livre disso tudo. Não foi o que aconteceu e ainda por cima veio uma pandemia que bagunçou toda a minha vida. E agora não tenho mais para onde correr, 2022 será decisivo. É agora ou nunca! Já montei um plano e com a ajuda de Deus vou me livrar dessa enfermidade de uma vez por todas. Ou é ano que vem ou nunca mais. Como eu disse na outra nota, antes eu era "estranha", "diferente", mas era criança, não tinha grandes responsabilidades e as consequências das minhas ações ansiosas não eram alastrosas. Porém agora o jogo virou, ( e de uma forma terrível, numa meio de uma pandemia, onde o tempo para mim passou voando) sou adulta e vejo a ansiedade comendo as minhas oportunidades e o meu futuro! Não quero mais me desatentar, cair em procrastinação ou conformismo. Deus me deu uma vida e eu vou viver!!! Até mesmo o Senhor (que sempre foi ativo no meu dia a dia) quando falo sobre a questão parece tampar os ouvidos, mas ate Ele vai aparecer ano que vem. Amém

Não vejo a hora de dar adeus a essa mente enferma (imagino meu cérebro todo cansado de tanta perturbação) e iniciar minha vida tranquila. por em prática tudo aquilo que aprendi e correr trás dos meus objetivos.

Foi isso, até mais, Di!


  [Voltar]  


Comentários

Comentários (2)




Para fazer comentários, realize o login.





Sábado, 11 de Dezembro de 2021 �s 17:47
NÃO EXISTE CURA PRA ESSA ENFERMIDADE, é um eterno desejo de fazer isso sumir oi se resolver pra que possamos viver plenamente. Se conheça o máximo possível, aceite sua condição e tente encarar as limitações que a ansiedade nós impõe.

(
0
)
(
0
)

Sábado, 11 de Dezembro de 2021 �s 17:45
Ei Raquel, tenho 38 anos, li sua anotação. Tenho problema com ansiedade e distimia... Não sou boa em dar conselhos pois vivo meu presente como se estivesse em uma corda bamba. Realmente a ansiedade nós limita muito e evolui pra depressão pois nos trás muitos arrependimentos, frustrações e culpa pela procrastinação.

(
0
)
(
0
)

 

Últimos Acessos


 

Destaque

    Twitter Facebook Orkut